DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de português com o professor Antonio da Costa, de Sobral-CE- Material de domingo, 14/05/2017

“O homem polue os rios, os mares e as florestas” ou “O homem polui os rios, os mares e a floresta”?
A segunda oração é a correta. Verbos que têm o infinitivo em “uar” possuem forma “eu”: continue, atenue, jejue, recue: O homem polui os rios, os mares e as florestas. Verbos cujo infinitivo termina em “uir” possuem as formas “ui”ou “oi”: possui, evolui, atribui, constrói, destrói.

Vou mostrar-lhe meu caderno, mas não repare a desorganização!
 Sem a preposição “em”, o verbo reparar significa consertar (com “s”), indenizar: O técnico reparou o computador que estava avariado. Com a preposição “em”, o verbo reparar significa notar, observar, olhar: Vou mostrar-lhe meu caderno, mas não repare na desorganização! Repare nos exemplos que damos nesta lição de Gramática.

O aluno estava aguardando o professor há mais de três horas
O verbo haver deve concordar com o verbo estar: O aluno estava aguardando o professor havia (= fazia) mais de três horas. Se este estiver no imperfeito ou no mais-que-perfeito do indicativo, a concordância será feita com a forma “havia”.

Estou sem nenhuma moral para fazer a prova
O vocábulo “moral” (a moral, no feminino) quer dizer: relativo à moralidade, aos bons costumes, à honestidade e a justiça, bons costumes, decente, educativo e instrutivo: Estou sem nenhum moral para fazer a prova. Já no masculino (o moral) quer dizer: disposição do espírito, energia para suportar as dificuldades e os perigos: ânimo.

Sou difícil de fazer amizade
A frase já se inicia por uma incoerência, pois ninguém é difícil ou fácil de coisa alguma. O que é difícil não é a pessoa, mas, sim, a ação de fazer amizade. Fazer amizade é difícil para mim. O sujeito dessa frase é oracional - fazer amizade (suj.) e o predicativo é “difícil”.  O verbo é de ligação - “ser” ou as estranhas formas: É-me difícil fazer amizade; Fazer amizade me é difícil.

Tereza deu à luz a uma linda criança
O verbo “dar” possui dois objetos: um objeto direto e o outro, indireto: Teresa deu à luz uma linda criança. Deu algo, objeto direto (uma linda criança) a alguém, objeto indireto (à luz), isto é, “ao mundo”. Em tempo: A grafia correta do nome próprio é “Teresa” (com “s”).

Se você ver o Marcos, diga-lhe que a data do concurso foi adiada!
Esta frase representa dúvida em muitos candidatos despreparados sobre o verbo “ver”: Se você vir o Marcos, diga-lhe que a data do concurso foi adiada! O futuro do subjuntivo do verbo “ver” faz-se assim: vir, vires, vir, virmos, virdes, vire.

A perca daquele patrimônio transformou-o numa pessoa cética e amarga
“Perca” é forma verbal da primeira e da terceira pessoa do singular do presente do subjuntivo: Mesmo que eu perca de início, não desanimarei; A perda daquele patrimônio transformou-o numa pessoa cética e amarga. “Perda” é substantivo e admite ser precedido de artigo: A perda de um ano de estudo não o abalou.

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.
Postagem anterior
Próxima postagem
Notícias Relacionadas

0 comentários: