DE OLHO NA LÍNGUA- Dicas de Português do professor Antonio da Costa, de Sobral-CE- Material de domingo, 07/05/2017



“Viva” os brasileiros
Embora todo mundo use “Viva” como se fosse uma interjeição, trata-se de um verbo, sujeito, portanto, a variações. “Salve!” é que é interjeição e não varia nunca. Se o sujeito do verbo viver, em frases assim, estiver no plural, o verbo deverá naturalmente acompanhá-lo. Portanto: Vivam os brasileiros! Viva eu! Viva ela! Vivam as férias! Vivamos nós, brasileiros! Vivam os políticos brasileiros!

Quais de nós? Quaisquer de nós?
Quando faz parte do sujeito, o verbo concorda com o segundo pronome: Quais de nós aqui estaremos em 2050? Quais de nós resistiremos a uma doença dessas? Quaisquer de nós cairíamos nesse conto do vigário.

Qual de nós? Qualquer de nós?
Quando fazem parte do sujeito, o verbo concorda com o primeiro pronome: Qual de nós estará vivo em 2050? Qual de nós resistiria a uma doença dessas? Qualquer de nós cairia nesse conto do vigário.

Qualquer / nenhum
Convém não confundir. Ambos são pronomes indefinidos. Mas “qualquer” se usa nas frases declarativas afirmativas, enquanto “nenhum” (e variações) se emprega nas negativas. Portanto: Qualquer brasileiro gosta de futebol; Não tenho nenhum interesse nessa negociação; Ninguém via nenhuma virtude nele; Não estão abertas nenhumas inscrições para o Banco do Brasil.

Puxar (Regência verbal)
É transitivo direto (sair semelhante ou parecido) e rege “a” ou “por”: Puxar à (ou pela) família de meu pai; Reginaldo puxou mais à (ou pela) família da mãe. Na acepção de coxear, mancar, capengar, rege a preposição “de”: Por que você está puxando de uma perna? O jogador saiu do campo puxando da perna esquerda. Interessante que há narradores de futebol que só usam “puxar a perna”: O jogador saiu do campo puxando a perna esquerda. É bom que perguntemos a eles: Com cordinhas, barbante ou cabo de aço?

Jogar de goleiro (Vale?)
É construção da língua italiana, mas profundamente arraigada no Português do Brasil. Entre nós, de fato, ninguém joga como goleiro, como centroavante, como zagueiro, como fazem os portugueses. Todo mundo joga por aqui mesmo é de goleiro, de centroavante, de zagueiro.

À mostra / à amostra
São expressões equivalentes: A moda agora é deixar o umbigo à mostra (ou à amostra)

Amputar /decepar
Convém não confundir: Amputar é cortar cirurgicamente membro do corpo ou parte dele, geralmente por necessidade: amputar um braço, uma perna, um dedo.
Decepar é destacar do tronco um membro, cortando violentamente (a machadada, por exemplo): Ao rachar lenha, decepou um dedo.

Amnésia ou amnesia
Ambas as prosódias são corretas. Mas a primeira é mais vulga.

Ancião
Feminino: anciã. Plural: anciãos. Antigamente também se usavam: anciões e anciães.

(*) Professor Antônio da Costa é graduado em Letras Plenas, com Especialização em Língua Portuguesa e Literatura, na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É, também, servidor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Sobral. Contatos: (088) 9762-2542.
Postagem anterior
Próxima postagem
Notícias Relacionadas

0 comentários: