Conheça a trajetória da professora Zélia Borba na Escola José Martins em Elesbão Veloso, desde a implantação da educação em 1962 a aposentadoria em 1990.

Por: José Loiola Neto

No último dia 4 de fevereiro completaram-se 55 anos da implantação da Educação na Unidade Escolar José Martins, a mais antiga repartição de ensino público em Elesbão Veloso, preste a completar 69 anos de fundação, pelas professoras Zélia Borba e Maria Dolores Veras, que faleceu no começo desse ano, dias antes de completar 86 anos.

Ouvida pela Eldorado FM/Painel Popular, a professora Zélia disse ser motivo de orgulho ter participado desse processo, pois foram frutos plantados mais tarde colhidos por quem ama fazer educação. Ela faz ponderações, ressaltando que alguns reconhecem outros não.

Professora Zélia Borba implantou a Educação na U.E.José Martins
Dona Zélia lembrou a designação para vir a Elesbão, tendo em vista implantar o sistema de educação no José Martins juntamente com a colega Dolores Veras.

- Fomos mandadas a Elesbão pelo Departamento Nacional de Educação com sede no Rio de Janeiro; eram quatro centros-pilotos no Estado do Piauí; então foram sorteados os locais onde tinha o maior número de analfabetos e aqui tinha um alto índice foi sorteado, as outras cidades foram Regeneração, São Raimundo Nonato e Uruçui.

Dona Zélia lembrou que em princípio a estadia em Elesbão Veloso deveria durar dois anos, no entanto, a sua colega Dolores Veras retornou a Teresina em outubro daquele ano de 1962 para acertos de contratos junto ao Banco do Brasil, e de lá mesmo enviou um telegrama pedindo que fossem enviados seus pertences.

Perguntada se valeu a pena ter vindo a Elesbão Veloso para promover a implantação da educação no município, dona Zélia disse que foi bom porque fez o que sempre sonhou e gostou de fazer, porém faz ressalvas.

- Eu dei tudo de mim à Elesbão Veloso mas tenho algumas mágoas e fico chateada porque não tive o reconhecimento devido, nem tanto pelos alunos, porque grande parte me reconhece, mas os professores ou pessoas que trabalharam comigo poucos reconhecem meu valor.

Zélia disse que sempre procurou estar próxima de sua equipe, tanto que atendia professoras em casa ou na escola. A experiente professora opinou sobre a transformação da educação perceptível nos últimos anos. Crítica declarada dos moldes de educação atual, a professora que completará 80 anos em junho próximo lembrou que em Teresina foi aluna de pessoas de alto gabarito, dentre eles Dom Avelar Brandão Vilela, Dirceu Arcoverde, Wilson Brandão e Wall Ferraz.

- O que precisa nos dias atuais é o professor ter boa vontade e dedicação acima de tudo. Vejo também que hoje os alunos não gostam de ler, é lamentável, porque o Enem depende disso, que aluno leia bastante e se dedique o máximo

Dona Zélia permaneceu na Unidade Escolar José Martins até se aposentar, algo que se deu em 23 de setembro de 1990. Ela conta que tem saudades e boa recordações da escola, porém, não sabe o motivo de não ter sido convidada a participar de qualquer evento.

Com a sede oficial da escola desativada desde setembro do ano passado, devido a falha em sua estrutura física, a escola José Martins se encontra fechada para reforma. Sinais de depredação são notadas, a partir do telhado tomado por pedras e paus lançados por vândalos. Foi ventilado uma mudança de nome do local, mas a professora disse estar atenda aos trâmites legais para que isso de fato aconteça.

- Isso não existe. Já perguntei para Brasília. Não pode mudar o nome, uma vez que foi construido com verba federal, além disso é uma escola pioneira, pois foi a primeira a ser erguida na cidade.

Na Escola José Martins entre as décadas de 1960 e 70, dona Zélia lembrou que foi de tudo um pouco: professora, diretora, mãe de meninos quando adoeciam.

Ao assumir a escola, a professora lembra que em termo de documentos pouco encontrou, haviam lá, alguns "cardemos comuns" pequenos como se fossem livros de pontos, não haviam carteiras escolares para assentos, haviam na escola José Martins, inicialmente apenas três salas, as matrículas de alunos foi fieto de casa em casa, de acordo com a professora Zélia, que lembrou dos "funcionários-operários", pessoas dedicadas que davam o melhor em prol da escola.

- A dona Ernesta Veras, Judite Veras, Maria Bezerra e Franquinha Rodrigues, foram contratados como professores leigos, elas estavam fazendo um curso, o Logus em Teresina para alfabetização então solicitei vagas para elas trabalharem, depois pedi a contratação por conta do ministério a Do Ó Pereira.

No começo Escola funcionava nos turnos manhã e tarde, sendo que a partir do dia 19 de abril de 1964  foi criado o Curso Supletivo no período da noite.

- As aulas do Supletivo eram dadas a luz de lamparina, havia também o Mobral numa sala, lembro também que a professora Joana Moura ministrava o curso Minerva com aulas através do rádio.

Os alunos, na concepção da professora Zélia Borba demonstravam interesses, sobretudo por não saberem de nada, daí queriam aprender algo para a vida. Além disse, havia um incentivo a parte para alunos e até professores. Ela concluiu dizendo que tem muitas saudades da Escola José Martins, tanto que gostaria de ter a seu dispor uma sala para voltar a ministrar aulas ao menos à noite.
Postagem anterior
Próxima postagem
Notícias Relacionadas

0 comentários: